Conheça a história da Jukebox

As jukeboxes tradicionais já foram uma fonte significativa de receita para as empresas produtoras de discos. Essas máquinas eram muitas vezes as primeiras fontes de novos lançamentos da indústria musical e tinham uma certa vantagem se comparadas aos rádios: elas tocavam a música sob demanda e sem a inserção de comerciais. No entanto, essas máquinas não nasceram com o nome “jukebox”. No início, seus fabricantes as chamavam de nomes que variavam bastante, incluindo “fonógrafos automáticos operados por moedas”, “fonógrafos automáticos” ou “fonógrafos operados por moeda”. O termo “jukebox” só viria a aparecer anos mais tarde, por volta da década de 1930. Acredita-se que esse nome foi dado por que as máquinas podiam ser facilmente encontradas nas “Juke joints”, que eram pequenos estabelecimentos comerciais que ofereciam músicas, dança, jogos e bebidas como forma de lazer.

Em 1918, Hobart C. Niblack criou um dispositivo que trocava de música automaticamente, levando ao lançamento das primeiras jukeboxes seletivas que viriam a ser introduzidas no mercado em 1927 pela Automated Musical Instrument Company. A partir daí, as jukeboxes ficaram mais populares, alcançando seu auge entre os anos 1940 e meados da década de 1950. Naquela época, cerca de 75% dos lançamentos musicais dos Estados Unidos marcavam presenças nas máquinas desse tipo.

Após a década de 1960, o lançamento de aparelhos de música portáteis para ajudaram a provocar o desaparecimento das jukeboxes, mas ainda assim elas serão eternamente lembradas por aqueles que as consideram um símbolo da cena musical da metade do século 20.